Museu da Língua Portuguesa, Pinacoteca, Vila Madalena e Mercado Municipal

Ao chegar em São Paulo fomos recepcionadas pela Mary, minha querida e especial prima, que nos proporcionou vários passeios durante nossa folga da Feira Preta, durante todo o final semana.

Estivemos no Museu da Língua Portuguesa, onde a exposição era um mergulho na literatura de Fernando Pessoa com seus numerosos heterônimos, entre eles Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis, e várias personalidades literárias. Além dos poemas, escreveu contos, ensaios e críticas literárias para diversas publicações portuguesas.

O Museu fica na Estação da Luz, uma construção lindíssima, e é dedicado à valorização e difusão do nosso idioma (patrimônio imaterial), apresenta uma forma expositiva diferenciada das demais instituições museológicas do país e do mundo, usando tecnologia de ponta e recursos interativos para a apresentação de seus conteúdos.

Estivemos também na Pinacoteca, onde uma das exposiçoes era “O Lado de Lá, Angola, Congo e Benin” de Ricardo Teles. Também com várias obras de artistas renomados.

O passeio na Vila Madalena e no Mercado Municipal fechou com chave de ouro nossa ida a São Paulo.

Um banho de cultura sempre faz bem a alma.

Assista um pouco da exposição e veja as fotos:

Vila Madalena e Mercado

Museu da Língua Portuguesa – Fernando Pessoa

Pinacoteca

Feira Preta em São Paulo

Em dezembro estive na Feira Preta junto com Dóris e Aida, foram dois dias de evento, onde reuniu pessoas de todas as raças para reconhecer e celebrar o valor cultural e empreendedor do mercado afrobrasileiro.

Principal projeto do Instituto Feira Preta, é também o maior evento de cultura negra da América Latina; une cultura e comércio de produtos étnicos em uma grande celebração que encerra o mês da consciência negra.

A Feira é realizada anualmente, com o forte objetivo de promover a cultura afro-brasileira, valorizar o potencial mercado afro e estimular o profissional negro, possibilitando uma maior visibilidade das iniciativas culturais e empreendedoras produzidas nos grandes centros urbanos brasileiros.

Seu formato dinâmico, construído a partir de várias ações coletivas e colaborativas, revela o espírito da Feira Preta: espontaneidade, empreendedorismo, cultura e identidade.
As atrações são diversificadas, passeando por exposições de artes plásticas, saraus de literatura, fotografia, teatro, danças afro-brasileiras, músicas tradicionais e contemporâneas, religião, oficinas, painéis de reflexão, gastronomia e mostras de cinema, shows e rodas de samba.

Assista um pouco do show do Mario Sergio (Ex Fundo de Quintal) e veja as fotos.